Alexandre Jesus da Silva Machado e Maria Suzana Marc AmorettiAlexandre Jesus da Silva Machado, graduado em Eletrônica e Matemática, possui Especialização em Metodologia do Ensino e Doutorado em Informática na Educação.

Atua há 22 anos como professor de Eletricidade e Eletrônica do Colégio Técnico Industrial Prof. Mário Alquati (CTI/FURG). Professor da disciplina de Alfabetização Digital do curso de Pedagogia, no sistema da Universidade Aberta do Brasil (UAB) e no curso "Encontros Dialógicos com o PROEJA".

Atualmente, é Coordenador do Núcleo de Educação a Distância (NEAD/CTI) e do Programa de Formação Continuada Mídias na Educação, da SEED/MEC.

Entrevista com Alexandre Machado

Maria Suzana Marc Amoretti:

O que é o Mídias?

Alexandre Machado:

O programa de Formação Continuada Mídias na Educação é um programa a distância, com estrutura modular, com o objetivo de proporcionar formação continuada para o uso pedagógico das diferentes tecnologias da informação e da comunicação - TV e vídeo, informática, rádio e impressos - de forma integrada ao processo de ensino e aprendizagem, aos profissionais de educação, contribuindo para a formação de um leitor crítico e criativo, capaz de produzir e estimular a produção nas diversas mídias.

Figura 1- Estrutura Modular do MídiasO Programa Mídias possibilita diferentes percursos de aprendizagem e certificação. Estão previstos três níveis de certificação constituindo ciclos de estudo: o Ciclo Básico, de Extensão, com 120 horas (mínimo) de duração; o Intermediário, de Aperfeiçoamento, com 180 horas (mínimo), e o Avançado, de Especialização, com 360 horas (mínimo). Sua estrutura é mostrada na fig. 1.

Figura 2- Mídia Informática abordada nos três ciclos do MídiasNa figura 2 temos um exemplo de como a Mídia Informática é estudada nos ciclos básico, intermediário e avançado:

O programa está sendo desenvolvido pela SEED/MEC em parceria com Secretarias de Educação e IPES (Instituições Públicas de Educação Superior) - estas responsáveis pela produção, oferta e certificação dos módulos, assim como pela seleção e capacitação de tutores. Com foco na pedagogia da co-autoria, na integração de tecnologias, na democratização e flexibilização do acesso à formação e no trabalho colaborativo, o programa pretende ser uma referência para cursos on-line.

A proposta metodológica do Programa é marcada pela interatividade, objetivando familiarizar os educadores com as diversas mídias. O caráter teórico-prático das atividades busca facilitar o processo de conhecimento e interação entre educadores e educandos por meio da utilização da tecnologia. Figura 3- Plataforma do e-ProinfoO curso é disponibilizado no ambiente e-ProInfo , mostrado na figura 3.

As atividades envolvem análise e autoria dos participantes individualmente e em grupo e a interação entre os participantes é estimulada através de fóruns e chats. O Projeto Galeria das Mídias possibilita a publicação na Web da produção dos participantes.

Maria Suzana Marc Amoretti:

Qual é a importância e a abrangência do Mídias?

Alexandre Machado:

O Mídias, destinado a Professores do Ensino Fundamental, Ensino Médio, Educação Especial e Educação de Jovens e Adultos, iniciou em 2006, ofertando 10.000 vagas para as 5 regiões do país e, de forma gratuita e com qualidade, é um programa que pretende colaborar diretamente na melhora da performance docente em sala de aula.

Concebendo a formação de professores como base fundamental para a melhoria da qualidade do ensino e tendo como princípio que a incorporação de inovações tecnológicas pode contribuir para essa melhoria, o curso de Pós-Graduação Lato Sensu, promovendo o uso pedagógico das diferentes tecnologias da informação e da comunicação - TV e vídeo, informática, rádio e impressos - de forma integrada ao processo de ensino e aprendizagem, pretende contribuir para a formação de um leitor crítico e criativo, capaz de produzir e estimular a produção nas diversas mídias, o que certamente acarretará melhoria na práxis docente dos cursistas, propiciando, desta maneira, um ensino dinâmico, criativo, construtivo e interativo entre alunos e professores.

Em 2008 a SEED definiu a meta de atingir 3.500 vagas a serem oferecidas no ciclo avançado, 10.000 vagas para o ciclo intermediário e 15.000 vagas para o ciclo básico.

Maria Suzana Marc Amoretti:

Qual é o papel da FURG no Mídias?

Alexandre Machado:

A FURG é uma das universidades pioneiras do Mídias, tendo começado em agosto de 2006 a atender 136 alunos nos estados do RS e SC. No biênio 2007/2008, a pedido da SEED/MEC, passamos a atender exclusivamente o estado de Santa Catarina, com a seguinte oferta de alunos matriculados: 500 cursistas no Ciclo Básico; 250 no Ciclo Intermediário e 32 alunos no Ciclo Avançado (Pós-Graduação).

No biênio 2009/2010, estamos atendendo 500 cursistas no Ciclo Básico (término em julho); 350 no Ciclo Intermediário (início em agosto) e 192 alunos no Ciclo Avançado (Pós-Graduação Figura 4- Plataforma do e-ProinfoDestacamos, com orgulho que a FURG foi a primeira universidade do Brasil a ofertar a Pós-graduação do Mídias, tendo o seu projeto pedagógico sido tomado como exemplo para várias outras IFES do pais. Esta proposta pedagógica está disponibilizada no Galeria das Mídias, mostrada na figura 4.

Este sítio identifica outro pioneirismo da FURG, que é a única IFES que disponibilizou este local em que os trabalhos de todos os alunos do Mídias estão disponibilizados e onde podem ser acessados documentos e informações relacionados à Pós-graduação e demais ciclos do Programa.

Maria Suzana Marc Amoretti:

Como tem sido a experiência na coordenação? Quais são os acertos e os desafios?

Alexandre Machado:

A coordenação individual do Mídias começou no ano de 2007, a partir da ida da Professora Ivete Pinto para a coordenação da UAB/FURG.

O maior desafio enfrentado até hoje na coordenação do Mídias é a grande evasão apresentada. Em uma busca incessante dos motivos que levam os cursistas a abandonar o Mídias, encontramos alguns elementos que se destacam:

* Baixa performance do Ambiente Virtual de Aprendizagem, que apresentou dificuldade de acesso e instabilidade em horários específicos (10h, 11h30min-12h30min, 16-16h30min, pós 21h, finais de semana antes das 09h). Além disso, foram detectados problemas no registro de diário de bordo e fóruns; tempo de login e chats com mais de 10 pessoas.

* Falta de apoio inicial da Secretaria de Educação e UNDIME, que apresentaram cursistas convocados; com carga horária elevada e sem proporcionar o devido incentivo aos alunos no apoio ao deslocamento para os encontros presenciais e acesso a internet na escola;

* Perfil do Cursista: pouco tempo disponível para realizar grande quantidade de atividades, falta de conhecimentos mínimos de informática, falta de acesso a internet e recursos multimídia adequados.

* Excesso de alunos por tutor, que nos ciclos básico e intermediário se estabelece na relação de um tutor para cinqüenta alunos (1:50) e na pós-graduação de um tutor para cada 32 alunos (1:32)

Além dos aspectos salientados, enfrentamos dificuldades para encontrar locais gratuitos adequados para realizar os encontros inicias e finais do programa, uma vez que no interior do estado de SC, são poucos os locais existentes, para atender a um número relativamente adequado dos cursistas.

A fim de superar todos os desafios apresentados, realizamos algumas ações que foram bem sucedidas:

* Mutirão presencial: encontros não previstos no calendário do MEC, em que aproximamos tutor e alunos, a fim de retomar atividades pendentes e tratar do projeto de conclusão do ciclo. Na realização destes encontros presenciais, desenvolvemos uma logística própria, levando notebook, projetor multimídia, cabos, CDs, pen-drives;

* Telefonemas motivadores (insistentes): como coordenador do Programa, conseguimos resgatar vários alunos, conversando pessoalmente com o aluno e mostrando a importância de continuar no curso;

* Uso adequado do MSN: devido a instabilidade do e-ProInfo, vários chats foram finalizados pelo MSN, permitindo desta forma que os temas abordados fossem finalizados adequadamente;

* Relatórios individualizados: no decorrer do curso, cada cursista recebe via correio um relatório individualizado com as tarefas realizadas e os trabalhado pendentes, a fim de verificar o seu desempenho no decorrer do curso;

* Flexibilização dos prazos: Todas as tarefas previstas são realizadas, sendo que o prazo pode ser flexibilizado, o que permitiu que vários alunos retornassem ao curso.

* Substituição de cursistas evadidos: criamos, para cada oferta de ciclo do programa, uma lista de alunos suplentes que são chamados à medida que ocorre a desistência dos cursistas e, desta forma, vamos preenchendo as vagas ociosas e diminuindo os índices de evasão;

* Apoio técnico diferenciado da tutoria: realizamos com todos os tutores do Mídias uma capacitação, em que, além de explorar exaustivamente a plataforma e-Proinfo, procuramos destacar a importância da ação do tutor, destacando que, conforme Moore (1993) independente da distância física (que pode ser muito grande), a distancia afetiva entre tutor e aluno deve ser a menor possível, garantindo o aluno como elemento ativo no processo da EaD.

No momento atual, o desafio de coordenar o Mídias é que todo o grupo de orientadores e tutores apresente uma sintonia no discurso de atendimento ao alunado, destacando sempre o objetivo principal do curso, que é melhorar a práxis docente dentro da sala de aula, através do emprego adequados das mídias.

Maria Suzana Marc Amoretti:

Quais são os projetos futuros?

Alexandre Machado:

Atualmente o maior desafio do NEAD/CTI é articular a aprovação de um novo projeto do Mídias na Educação, com 18 meses de duração, sob a coordenação da CAPES e vislumbrando a oportunidade do curso se transformar em Mestrado.